quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

CÁLCULO DE ARMAZENAGEM AÉREA

Quando pensamos em importar determinado produto uma das dificuldades é conseguir, de maneira acurada, estimar todos os custos que ocorrem na importação.

Como já descrevi em outras postagens, existem muitas variáveis que influenciam na importação aqui no Brasil, e o planejamento não é apenas algo necessário, é essencial.

Mas Carol, como planejar se eu não sei como calcular os custos da importação?

A dificuldade pode começar por ai, mas é possível aprender e colocar em prática.

Vocês podem começar utilizando como passo inicial a postagem abaixo, que traz explicações a esse respeito:

QUAIS OS CUSTOS DE UMA IMPORTAÇÃO?


Uma forma muito utilizada para estimar custos na importação é determinando algumas porcentagens. Ou seja, as pessoas estimam porcentagens referentes aos custos de armazenagem, transportes, tributos, e no final acabam por aplicar uma porcentagem única sobre o valor da mercadoria importada.

Vocês já devem ter ouvido alguém falar:

“O custo da importação de uma mercadoria no Brasil é de X% do valor CIF!”

Eu até concordo que utilizem tal porcentagem, facilita os cálculos e para tomar algumas decisões é muito mais prático.

Porém, se você é o importador, ou se é um prestador de serviço da área, é melhor saber exatamente como são feitos os cálculos, para não ter nenhuma surpresa ou até para poder dar as devidas explicações dos valores recolhidos ou pagos.

Por isso, no post de hoje, irei abordar um assunto procedimental. Falarei sobre o cálculo de armazenagem nos aeroportos onde as cargas de importação são depositadas.


ARMAZENAGEM NOS AEROPORTOS

A grande maioria das encomendas estrangeiras de porte pequeno são transportadas até o Brasil via aérea.

Quando estas mercadorias importadas chegam no Brasil são armazenadas nos Terminais de Carga (TECA) até que seja efetuado o despacho e posterior liberação.


Observação: Há algumas exceções em que a carga não é armazenada no TECA do aeroporto de chegada como as Remoções (Trânsito Aduaneiro); Remessas Expressas (Courier); e Remessas Postais Internacionais (Correios).
Nos casos de Remessa Expressa Descaracterizada é um pouco diferente, elas são armazenadas no TECA, porém a armazenagem é cobrada de acordo com uma Tabela Especial, que é a Tabela 9.


Os aeroportos mais utilizados pelas Cia. Aéreas que transportam cargas internacionais são:

VCP – Aeroporto de Campinas (SP)

GRU – Aeroporto de Guarulhos (SP)

MAO – Aeroporto de Manaus (AM)

GIG – Aeroporto do Rio de Janeiro (RJ)


Vejam estatísticas retiradas do AliceWeb referente ao ano de 2015:


Estes 4 aeroportos foram os mais utilizados para carga de importação em 2015. Mas há voos internacionais de cargas para quase todos os aeroportos no Brasil, principalmente nas capitais.

Irei utilizar para efeito de exemplo o Aeroporto de Viracopos em Campinas. Quem administra o aeroporto de VCP (Viracopos) é a concessionária “Viracopos - Aeroportos Brasil”. A tabela de tarifas está disponível no próprio site da concessionária.

A partir do momento da entrada da carga no armazém do aeroporto, inicia-se a contagem da armazenagem.

O cálculo é feito da seguinte forma:


1) PERÍODO DE ARMAZENAGEM - TEMPO QUE A CARGA FICARÁ ARMAZENADA.


Toda armazenagem, seja aérea ou marítima, de cargas de importação tem como fator principal o “tempo de armazenamento”.

Nos aeroportos, o tempo de armazenagem é divido em períodos. Vejam abaixo:



Então, por exemplo, se você estimar que sua carga de importação chegará em VCP dia 28/01/2016 e ficará armazenada no Aeroporto por cerca de 7 dias, até que seja nacionalizada e liberada, neste caso, entrará no 3º (terceiro) período de armazenagem.

Determinado o período, vamos para o próximo passo.


2) PERCENTUAL SOBRE O VALOR CIF - TABELA 7

Definido o período de acordo com a quantidade de dias que a mercadoria irá ficar armazenada no Terminal de Cargas (TECA), é possível verificar qual a porcentagem que incidirá sobre o valor CIF da mercadoria para fins de cálculo de armazenagem.

Vejam na tabela abaixo:


Como no nosso exemplo a carga entraria no 3º período de armazenagem, vamos agora verificar qual a porcentagem correspondente a este período:



Ou seja, irá incidir 1,65% sobre o valor CIF da mercadoria importada.

Digamos então, que a mercadoria deste nosso exemplo tenha um valor CIF em Reais de:


CIF = R$ 15.000,00



Calculando, teríamos:



R$ 15.000,00 x 1,65% = R$ 247,50

Valor Tabela 7 = R$ 247,50



Porém, precisamos olhar atentamente o que diz nas observações desta Tabela7! 

Vocês viram que tinham 2 observações?!

Pois é!

A observação que nos interessa para fins de cálculo da armazenagem é a “Observação 02”.


Essa observação é importante porque teremos que acrescentar ao Valor Tabela 7 o montante que a Tabela 8 indicar.

Carol, e cadê a Tabela 8?


3) CAPATAZIA - TABELA 8



A Tabela 8 diz respeito ao serviço de capatazia, que é a movimentação da carga dentro do Terminal. Esse serviço será somado ao valor da armazenagem.

O valor da Tabela 8 terá que ser calculado de acordo com o peso bruto da mercadoria. Digamos que a mercadoria do nosso exemplo tenha um Peso Bruto de 20 Kg.

Vejam:


R$ 0,0380 x 20 Kg = R$ 0,760

Porém, a observação 03 da Tabela 8 diz que a cobrança mínima é de R$ 10,00.

Sendo assim, como R$ 0,760 é menor que R$ 10,00, o valor a ser cobrado será de R$ 10,00.

Valor cobrado da Tabela 8 = R$ 10,00



Carol, agora é só somar o Valor Tabela 7 + Valor da Tabela 8?

Não!


4) ATAERO - ADICIONAL DE TARIFAS AEROPORTUÁRIAS

Se vocês repararem no rodapé das tabelas há a seguinte informação:



Isso quer dizer que deverá ser acrescido, em cada montante encontrado, o Adicional Tarifário de 35,9%, conhecido como ATAERO.

Carol, o que é esse ATAERO?

O ATAERO é a sigla de Adicional de Tarifas Aeroportuárias. Tributariamente o ATAERO é uma contribuição de intervenção no domínio econômico incidente sobre as tarifas aeroportuárias.

No caso do nosso exemplo as tarifas aeroportuárias seriam as de armazenagem e capatazia

Vejam base legal de tal tributação:

LEI Nº 12.648, DE 17 DE MAIO DE 2012.

“Art. 1o  É criado o adicional no valor de 35,9% (trinta e cinco inteiros e nove décimos por cento) sobre as tarifas aeroportuárias referidas no art. 3o da Lei no 6.009, de 26 de dezembro de 1973.

 § 1o  O adicional de que trata este artigo destina-se à aplicação em melhoramentos, reaparelhamento, reforma, expansão e depreciação de instalações aeroportuárias.



Bom, agora vamos aos cálculos do ATAERO:


Valor Tabela 7 = R$ 247,50
+
35,9% (ATAERO)

R$ 247,50 + 35,9% = R$ 336,35

VALOR TABELA 7 + ATAERO = R$ 336,35



Valor Tabela 8 = R$ 10
+
35,9% (ATAERO)

R$ 10 + 35,9% = R$ 13,59

VALOR TABELA 8 + ATAERO = R$ 13,59



Agora sim, é só somar os valores encontrados para chegarmos no valor total:


Valor Cobrado = (Valor da Tabela 7 + ATAERO) + (Valor da Tabela 8 + ATAERO)

Valor Cobrado = R$ 336,35 + R$ 13,59

VALOR COBRADO = R$ 349,94


Carol, e como eu efetuo esse pagamento?


5) PAGAMENTO DA ARMAZENAGEM - DAI

Existe um setor nos aeroportos que efetua estes cálculos e disponibiliza para o importador o boleto para pagamento. Esse boleto é chamado de DAI.

DAI significa Documento de Arrecadação de Importação. 

Vocês já devem ter ouvido alguém falar: 

“A mercadoria já está desembaraçada, mas ainda falta pagar o DAI para tirar a carga do armazém.”

Pois é, mesmo que a mercadoria esteja “desembaraçada” é necessário pagar o DAI para poder efetuar o carregamento.

Para vocês terem uma ideia de como é este documento DAI, segue abaixo um modelo:


OBS: Eu capturei essa imagem da internet. Fiz algumas alterações e rasuras para facilitar entendimento. Notem que é um DAI de 2006, e os valores cobrados estão de acordo com as tarifas vigentes na época.


SIMULADORES

Para facilitar a nossa vida, existem alguns simuladores que fazem os cálculos de armazenagem e capatazia automáticos.

A própria GRU Airport (Concessionária do Aeroporto de Guarulhos) disponibiliza em seu site um simulador:


Também existe um site, o SAC Armazenagem, em que é possível efetuar simulações de armazenagem tanto aéreas como marítimas:



Para finalizar, gostaria de destacar a importância de se efetuar um planejamento minucioso da importação. 

Vejam que uma estimativa de armazenagem incorreta no planejamento pode até inviabilizar a venda da mercadoria no mercado nacional, dada a estreita margem de lucro adicionada nas mercadorias importadas em função da acirrada concorrência.  

Quanto mais cara e mais pesada for a mercadoria, maior será o custo de armazenagem no aeroporto, por isso, cargas mais leves e com valores não tão elevados são as que têm melhor margem para se trabalhar quando o assunto é custo de armazenagem. Lembrando que armazenagem é apenas um dos custos envolvidos na operação de importação, existem vários outros com significativo peso, por isso, é necessário analisar a operação como um todo, e se possível, estimar os valores da forma mais detalhada possível.


Fico por aqui hoje e até outro dia!




7 comentários:

  1. É possível ter que esperar 33 dias para a fiscalização liberar o meu shippment? A conta de armazenamento é de 100 Us por dia! Parece desonesto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Décio,

      É necessário analisar caso a caso. Dependendo da situação, como por exemplo, canal vermelho com exigências, despacho de carga abandonada, etc., é possível que o prazo para liberação seja mais extenso.

      O que eu sugiro, caso tenha se sentido lesado, é procurar por auxílio jurídico, que possa lhe orientar se cabe ou não um processo.

      Veja por exemplo o caso abaixo:
      http://www.fauvelmoraes.com.br/boletim-aduaneiro/boletim-semanal-01-agosto-15

      Abraços.

      Excluir
  2. É possível ter que esperar 33 dias para a fiscalização liberar o meu shippment? A conta de armazenamento é de 100 Us por dia! Parece desonesto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carol? Minha empresa tem disconto nas tarifas aplicada a armazenagem. Eu estou tentando reproduzir o cálculo conforme voce instruiu.
      Cif : 98.760,52
      Tarifa 1 período de 0,39%.

      Calculo: 98760,52 x 0,39% = 385.16(tab.7)
      Calculo: 255(peso) x 0,0572( nova tarifa) = 14,59

      385,16 + 35,9% = 523.44
      14,59 + 35,9% = 19.82

      523,44 + 19,82 =543,26( valor a ser cobrado 1 periodo)

      Porém estão cobrando 533,08.
      E agora oque pode ser essa diferença?

      Excluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Boa tarde Carol,
    um despachante me cobrou uma despesa de frete, onde me informa que houve aumento em 10% do valor inicial, que segundo ele é referente um "seguro de cambio". Ou seja, inicialmente ele havia dito que o frete custaria $ 10 quando emitiu a solicitação de pagamento me cobrou $ 11,00 pelo frete

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!

      Nestes casos é sempre bom ter a cotação com os valores a serem cobrados detalhados. O que é possível variar é a cotação da moeda.

      Abraços.

      Excluir