quinta-feira, 29 de outubro de 2015

ENTENDENDO UMA COTAÇÃO DE FRETE INTERNACIONAL...


Por vezes nos deparamos com situações que ferem nossas expectativas...e na importação, isso acontece com certa frequência.

Carol, o que você quer dizer com isso?

Quero dizer que muitas vezes esperamos apenas uma resposta simples e objetiva, e recebemos de volta um problema matemático para resolver.

É o caso da Cotação de Frete Internacional que irei contar no post de hoje.

A área de importação no Brasil é um dos setores que mais exige múltiplos conhecimentos. Digo isso porque, para entender todo o processo é necessário ter conhecimento de:

  • Direito – para entender a legislação aduaneira e sua aplicabilidade;
  • Inglês – para poder negociar com os fornecedores; interagir com os prestadores de serviço e responder e-mails ou telefonemas para estes.
  • Contabilidade – para poder efetuar os devidos lançamentos contábeis dos impostos, taxas e despesas aduaneiras;
  • Logística – para poder entender toda a cadeia da operação, as modalidades de transporte, compras, estoque, armazenagem, etc.
  • Informática – para ter conhecimento de como utilizar os sistemas integrados ao comércio exterior, principalmente para saber como solucionar problemas! (rs);

E por fim...

  • Matemática! – para poder entender e calcular todos os impostos, taxas, fretes, armazenagens, despesas, etc.


E essa matemática, somada ao inglês, que irá entrar justamente no cálculo e entendimento do Frete Internacional que é o foco do nosso post de hoje.

Geralmente, quando solicitamos uma cotação de frete aéreo ou marítimo a um agente de carga, ela vem descrita da seguinte maneira:


Exemplo de Cotação de Frete Marítimo



POL.: FOB Hamburg

POD.: Santos – via Antwerp

Comm.: general cargo – no hazardous

TT.: 20 dias aprox. - semanal


Rate OFR EUR 35,00 wm – min EUR 35,00


Taxas locais de origem.:

- LCL fee = USD 80,00 per shipment
- STP Port charges = USD 40,00 w/m, min. USD 40
- Transhipment charges = USD 35,00 per ton
- Docs = USD 115,00 BL
- Storage at CFS = USD 6,00 w/m per day


Taxas locais de destino.:

- BL USD 30,00/BL
- Desconsolidação.: ISD 30,00/BL
- Capatazias.: BRL 30,00 wm – min BRL 30,00



Validade.: 31/10/15


Entenderam a cotação?

Para quem é da área, e está habituado a receber cotações de frete, é moleza!

Mas para aqueles que não têm essa prática, ou que não estão tão acostumados a lidar com cotações de frete, mais parece um problema de matemática em inglês, não acham?! (rs).

Pois então proponho a resolução deste problema agora!

Primeiro vamos entender o que está descrito na cotação, e depois podemos fazer os cálculos para achar o valor do frete total a ser cobrado do importador.

Então, vamos lá!


Entendendo os conceitos...


POL.: FOB Hamburg


POD.: Santos (via Antwerp)


Comm.: general cargo – no hazardous




TT.: 20 dias aprox. - semanal



Rate OFR EUR 35,00 wm – min EUR 35,00







Taxas locais de origem.:

- LCL fee = USD 80,00 per shipment


- STP Port charges = USD 40,00 w/m, min. USD 40


- Transhipment charges = USD 35,00 per ton


- Docs = USD 115,00 BL


- Storage at CFS = USD 6,00 w/m per day




Taxas locais de destino (Santos):

- BL fee.= USD 30,00/BL


- Desconsolidação.: USD 30,00/BL



- Capatazias.: BRL 30,00 wm – min BRL 30,00



Validade.: 31/10/15

Port of Loading = Porto de Embarque
Local Hamburgo - Incoterm FOB.

Port of Discharge = Porto de Desembarque
Santos – passa pelo porto da Antuérpia.

Comm. = Commodity = Mercadoria
General cargo – no hazardous = Carga Geral – Não perigosa


Transit Time = Tempo de Trânsito
20 dias, com saídas semanais de navio


Rate of Ocean Freight = Taxa do Frete Marítimo

EUR 35,00 wm – min EUR 35,00 = 35 euros por peso (w) ou metragem cúbica (m3), o que for maior, com mínimo de EUR 35,00.


Taxas locais de origem.:

- Taxa para Carga Solta = USD 80,00 por embarque

- Taxa de Movimentação em Área alfandegada = USD 40,00 w/m (peso ou metragem), com mínimo de USD 40

- Taxa de Transbordo = USD 35,00 por tonelada


- Taxa de Documentação = USD 115,00 por BL

- Armazenagem no Porto (Container Freight Station) = USD 6,00, por peso ou metragem, por dia.


Taxas locais de destino (Santos):

- Taxa de liberação do BL junto ao embarcador = USD 30,00 por BL

- Taxa de Desconsolidação (separa cada house (HBL) do Master (MBL) de acordo com o consignatário da carga = USD 30,00 por BL

- Capatazias = R$ 30,00 por peso ou metragem - com mínimo de R$ 30,00


Validade da Proposta.: 31/10/15


Fazendo os cálculos...

Considerando uma carga solta com:
Peso: 2.000 Kg = 2 Toneladas
Metragem: 6m3 (ver como calcular neste post aqui)


Porto de Embarque: Hamburgo.

Porto de Desembarque: Santos

Mercadoria: Carga Geral – Não perigosa

Tempo de Trânsito: 20 dias


Taxa do Frete Marítimo: EUR 35,00 por peso (w) ou metragem cúbica (m3), o que for maior, com mínimo de EUR 35,00.

6 (m3)  x 35 (taxa) = EUR 210

Frete Marítimo = EUR 210


Taxas locais de origem (Hamburgo):

- Taxa para Carga Solta = USD 80,00 por embarque

Taxa para carga solta = USD 80,00 (um embarque)

- Taxa de Movimentação em Área alfandegada = USD 40,00 w/m (peso ou metragem o que for maior), com mínimo de USD 40

6 (m3) x USD 40,00 = USD 240,00
Taxa de movimentação = USD 240,00


- Taxa de Transbordo = USD 35,00 por tonelada

2 (ton.) x USD 35,00 = USD 70,00
Taxa de transbordo = USD 70,00


- Taxa de Documentação = USD 115,00 por BL

Taxa de Documentação = USD 115,00 (um BL)


- Armazenagem no Porto (Container Freight Station) = USD 6,00, por peso ou metragem o que for maior, por dia.

6 (m3) x USD 6,00 x 5 dias* = USD 180,00
Armazenagem no Porto = USD 180,00

*Digamos, por exemplo, que o navio atrasou e a carga ficou parada aguardando o próximo navio durante 5 dias.


Taxas locais de destino (Santos):

Taxa de liberação do BL junto ao embarcador = USD 30,00 por BL

Taxa de Liberação do BL= USD 30,00 (um BL)


Taxa de Desconsolidação (separa cada house (HBL) do Master (MBL)de acordo com o consignatário da carga = USD 30,00 por BL

Taxa de Desconsolidação = USD 30,00 (um BL)

Capatazias = R$ 30,00 por peso ou metragem - com mínimo de R$ 30,00

 6 (m3) x R$ 30,00 = R$ 180,00
Capatazia = R$ 180,00


Sendo assim, resta agora somarmos todos os valores para chegarmos no total do valor do frete.

EUR 210 +USD 80 + USD 240 + USD 70 + USD 115 + USD 180 + USD 30 + R$ 180.

Convertendo essas moedas na taxa do dia do pagamento (digamos que foi dia 27/10/2015), teríamos:

EUR 210 x 4,3023 +USD 80 x 3,8988 + USD 240 x 3,8988  + USD 70 x 3,8988  + USD 115 x 3,8988  + USD 180 x 3,8988  + USD 30 x 3,8988  + R$ 180.


R$ 903,48+R$ 311,90+ R$ 935,71 + R$ 272,92 + R$ 448,36 + R$ 701,78 + R$ 116,96 + R$ 180,00

FRETE TOTAL = R$ 3.871,11



*Todos os valores apresentados são apenas exemplificativos.

DICA!




Estes cálculos são muito trabalhosos, não acham?

Como citei acima, alguns agentes de carga oferecem o valor ALL IN, o que facilita o cálculo, porém, em alguns casos dificulta a comparação com outras cotações, uma vez que você não tem os parâmetros de cálculo de cada taxa. 

Também, em casos que existe muita variação de peso e metragem é melhor a cotação detalhada (mais trabalhosa), uma vez que as taxas e o frete estão “abertos” e podemos utilizar a cotação original mesmo com mudança de peso ou metragem.

Aproveitando que estamos traduzindo e explicando alguns conceitos de taxas de frete, trago abaixo para vocês outras siglas de taxas que podem vir a aparecer em suas cotações de frete marítimo, vejam:


SIGLAS E ABREVIAÇÕES

BAS - Base Rate – Frete Básico. 

CUC - Chassis Using Charge – Uso de Chassi (uma espécie de trailer utilizado para transporte de contêiner sobre roda) para a Movimentação de Contêineres.

DDF - Documentation Fee (Destination) - Taxa de Documentação - Destino - Para criação e processamento dos documentos de transporte.

DOCS - Documentation Fee - Taxa de Documentação para o regsitro dos documentos.

EMF - Equipment Management Fee – Taxa de Gerenciamento de Equipamentos, para serviços extras que estejam relacionados a equipamentos, poe exemplo: entrega de lacres de contêiner de alta segurança. 

ERS - Emergency Risk Surcharge – Sobretaxa de Risco Emergencial, são custos adicionais assumidas pela operadora de transporte ao transportar cargas em regiões perigosas, incluindo aquelas que estão ameaçadas por riscos de segurança, violência ou atividade de pirataria. 
A taxa cobre custos com combustível naval extra (devido a maiores extensões percorridas e/ou a navegação em velocidade mais rápida), cobertura de seguro e medidas de segurança adicionais. 

IHE - Export Inland Haulage – Serviço de fornecimento de transporte de exportação terrestre a partir das instalações do cliente até o porto de carregamento. 

ISPS - Fee for the Security in the Port - Taxa que visa pela segurança de navios e instalações portuárias.

ODF - Documentation Fee - Origin - Taxa de Documentação - Origem - Para criação e processamento de todos os documentos de transporte padrão.

OHC - Handling Charge - Origin - Taxa de manuseio no Terminal/Porto de origem.

ORC - Origin Receiving Charges - Taxa de Origem, aplicada com maior frequencia pela China. 

OTA - Transport Arbitrary - Origin - Custo por algum incidente no porto de origem.

PAE - Port Additionals / Port Dues - Export - Adicional/Sobretaxa Portuária - Exportação. Despesas Portuárias que são adiantadas pela empresa de transporte, para economizar tempo, e depois faturadas ao importador.

PSI - Port Security Charge - Import - Serviço de Segurança Portuária - Importação - Visa manter a segurança portuária em conformidade com o Código Internacional de Segurança de Instalações Portuárias e Navais (ISPS Code, International Ship and Port Facility Security Code), que é um conjunto abrangente de medidas para aprimorar a segurança dos navios e das instalações portuárias. 

SER - Carrier Security Charge - Taxa cobrada pela transportadora para manutenção da segurança do navio de acordo com o ISPS-Code.


Fontes: 
http://www.maerskline.com/pt-br/help/services-and-fees?d
http://ferture.ee/conventional-international-abbreviations


CONCLUSÃO

No caso de Cotações de Frete Aéreo, não se preocupem, pois o raciocínio é o mesmo. Terá o frete base e as taxas de origem e destino. O que mudará serão apenas as siglas e abreviações das taxas que irão condizer com a modalidade aérea.

Além dos valores que compõem o frete internacional, seja marítimo ou aéreo, é importante também levar em consideração o trajeto da viagem.

Um frete mais econômico pode refletir em um tempo de viagem mais longo, com escala (aéreo) ou transbordo (marítimo), assim como rotas mais concorridas ou menos utilizadas podem impactar no valor do frete.

A análise da cotação do frete deve ser feita não apenas em termos financeiros, mas também com relação a prazo, trajeto, seguro e garantias.


Finalizo nosso post de hoje por aqui...e até a próxima!





28 comentários:

  1. carollllll!!! acompanho seu blog e indico o mesmo para todos os meus alunos, vc é bem clara e precisa.
    parabens....

    ResponderExcluir
  2. Prezada Carolina, bom dia

    Quero parabenizar pelo conteúdo do post, muito didático e de fácil entendimento.

    Contudo, há anos envio cotações como esta aos clientes, de fato, inclusive para nós vendedores é uma tarefa difícil, contudo, sua vontade de receber o frete all in (ou lumpsum que creio ser o termo mais correto) não é a mesma dos outros atuantes o comércio exterior. Por diversas vezes, enviei o frete calculado, mas os clientes solicitaram desmembramento dos valores. Já criei tabelas, ferramentas dinâmicas, ma em geral, menos de 10% dos meus clientes ativos hoje me aceitam a cotação calculada. Além disso, o frete que você recebeu na cotação está 3 vezes maior do que o praticado hoje. Acrescentando ainda, nas cotações LCL hoje, o maior inimigo é a armazenagem e não o frete em si. Caso tenha dúvidas, jcampos@maclogistic.com.

    Boa sorte e continue escrevendo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia Jackson,

      Obrigada pelos comentários.

      Veja que os 2 pontos levantados por você estão explicados no texto da postagem.

      1) Termo ALL IN - Informei os prós e os contras na postagem;

      2) Valores da Cotação - São apenas para fins de exemplo, esta informação também está descrita na postagem.

      Abraços!

      Excluir
    2. Prezados,

      O despachante pode me apresentar cobrança sem me apresentar comprovantes?

      Excluir
  3. Eu curto demais o teu blog e sempre acompanho as devidas atualizações dele.

    Noto que muitos que trabalham na area sempre fazem alguns questionamentos dos teus posts por medo de perder clientes.

    ResponderExcluir
  4. Bom dia:
    Primeiramente ótimo post>
    Sou produtor rural e faço importações regulares de mudas provenientes da Tailandia.O Frete sempre fica em torno do mesmo valor da mercadoria.Sempre que faz a cotação do frete é meu exportador e manda a fatura de pagamento Pre Paid.Existe a possibilidade de eu (importador) estar fazendo esta cotação do frete?De qual maneira?Ou como baratera meus custos de importação por ser produtor rural.Obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Marcel,

      Você, como importador, pode contratar o frete internacional pelo Brasil. Neste caso seria um frete collect, ou seja, você seria responsável pelo pagamento do frete no Brasil. Não teria que repassar o valor do frete ao seu exportador.

      Você pode fazer esta cotação com qualquer agente de carga. Sugiro que você peça ao seu despachante algumas indicações de agentes de carga, como ele conhece sua operação poderá lhe indicar os mais adequados.

      Abraços!

      Excluir
  5. olà, eu sou italiano e gostaria de parabenizar Carolina pela sua exposição bem clara, normalmente uma proposta de frete que recebo è assim:
    POL:Navegantes
    POD/Destino:Livorno / Livorno
    Incoterm:CFR
    Transit time aprox.:26 dias
    Equipamento:1 x 40' HC
    Produto:Madeira
    Frequencia:Semanal
    Free time rental (origem):40' HC - 15 dias
    Validade:30/04/15
    Observação:Armador Hsud

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Livton,

      Obrigada e agradeço pelo compartilhamento da informação também!


      Abraços.

      Excluir
  6. Olá Carol, tudo bem?
    A cobrança de Capatazia / THC deverá ser feita pelo Terminal ou pelo Agente Marítimo?
    Pergunto isso pq ao olhar um processo de importação LCL vi que o Terminal cobrou a tarifa "THC Carga Solta" e o Agente Marítimo cobrou o valor de "Capatazia".
    Obrigada.
    Samanta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Samanta,

      Essa é uma taxa difícil de entender! rs

      Mas teoricamente o agente marítimo/armador que lhe cobrará, pois é o manuseio da carga do navio para o terminal, o que faz parte da operação do armador/ag. marítimo.

      Mas há terminais que cobram o THC também considerando este serviço como uma capatazia interna, ese utilizam do mesmo termo.

      Abraços.

      Excluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Como faço para entrar em contato com um Agente Marítimo?
    Existe alguma empresa que forneça o orçamento de transporte maritimo? alguem pode me indicar?
    robson.soaresdias@gmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Robson!

      Procure por agentes de carga na internet.


      Abraços.

      Excluir
  9. Parabéns pelo post , muito bem explicado e detalhado exatamente como aprendo melhor.
    Você possui outros canais além do blog?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Ariel!

      Obrigada!

      Possui no Facebook, onde são publicadas as matérias do blog.


      Abraços.

      Excluir
  10. Olá,
    Quando tenho um Frete Básico de USD 5.000,00 + uma Taxa na Origem de capatazia no valor de USD 323,00. Na capa da DI qual o valor que devo lançar?
    O valor total somando os dois valores?
    ou o valor do frete basico na capa da DI e o valor da capatazia na origem nos acrescimos?
    Qual o amparo legal para esse lançamento?
    Grato!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Paulo!

      Geralmente lançamos o frete marítimo no campo de frete, e as outras taxas que compõem o frete são colocadas no campo de acréscimos.

      Mas é bom você também conferir com o CE Mercante!

      Abraços.

      Excluir
  11. Carolina, parabéns!!

    Deixa eu te perguntar uma coisa. Sobre a sobretaxa chamada BAF - aquela do combustível, ela precisa ser cobrada em um percentual sobre o valor do frete, correto? De quanto seria, atualmente usual, esse percentual, uma vez que os combustíveis (petróleo) está estabilizado?

    Desde já agradeço. Abraço.
    Mirian

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Mirian,

      Infelizmente não sei lhe confirmar, acho que alguém que trabalhe nestes armadores é mais indicado para te ajudar. Pois há negociações de frete em que o BAF já está incluso no valor do frete, outras não.


      Abraços.

      Excluir
  12. Carolina noa tarde,

    Me tire uma duvida no seu post, como você considerou uma importação FOB, por que voce informou os valores de origem na cotação ao cliente, ja que esse incoterm o importação só pagaria o frete e taxas locais no destino?

    Desde já agradeço,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde!

      Na prática temos alguns embarques FOB´s que o exportador se compromete em entregar a carga no porto, mas o agente de carga, que é contratado pelo importador, que acaba fazendo o manuseio da carga para o navio e cobrando essas taxas no HBL.
      Porque como é um procedimento vinculado ao navio, que é designado pelo próprio agente de carga no Brasil, é mais fácil que ele coordene essa logística.

      Veja a explicação do termo FOB:
      "a responsabilidade do vendedor, sobre a mercadoria, vai até o momento da transposição da amurada do navio ("ship's rail"), no porto de embarque, muito embora a colocação da mercadoria a bordo do navio seja também, em princípio, tarefa a cargo do vendedor.
      O termo FOB exige que o vendedor desembarace as mercadorias para exportação.
      Ressalte-se que o transportador internacional é contratado pelo comprador (importador). Logo, na venda "FOB", o exportador precisa conhecer qual o termo marítimo acordado entre o comprador e o armador, a fim de verificar quem deverá cobrir as despesas de embarque da mercadoria.
      Esse termo só pode ser utilizado no transporte aquaviário (marítimo fluvial ou lacustre)."

      Abraços.

      Excluir
  13. Olá Carol, acompanho seu blog e sempre me ajuda tirando dúvidas.
    Gostaria de lhe perguntar se sabe algo a respeito de inconsistências de frete, que acontecem entre houses e máster. No caso me refiro a cargas LCL. Na empresa que trabalho geralmente os fretes dos master´s são maiores que as somas dos houses, e nesse caso temos que lança taxas prepaids para os clientes para conseguir fazer as desconsolidações no mercante. Ocorre que muitos reclamam pois incide no frete e consequentemente no pagamento a maior de taxas para nacionalizar. Minha duvida é: isso é comum, ou não. Onde está o eero nessa prática?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!

      Eu não sei lhe responder essa dúvida, deve ser algum procedimento da sua empresa com o armador, porque normalmente o valor do master é mais baixo que a soma dos houses vinculados a ele, uma vez que o agente está revendendo o espaço e assim auferindo lucro (através dos houses).

      Abraços.

      Excluir